quinta-feira, dezembro 15




COMO TRANSFORMAR PESSOAS EM 1 MINUTO
 Atuação do Instituto Samambaia de Ciência Ambiental e Ecoturismo - ISCAE em parceria com o Comitê de Democratização da Informática - CDI, junto a moradores desabrigados de Petrópolis – RJ, após as chuvas de janeiro
Dir: CDI Samambaia
Doc.2´
BAFO QUENTE
 De maneira divertida, o Curta
traz por meio da animação questões
 emblemáticas como Aquecimento Global  
e Mudanças Climática
Dir: Maurício Maio
Ani. 1,11´

BRASILECO HIP HOP
 O vídeo foi gravado no Jardim Botânico 
de Porto Alegre com a presença e participação 
de cerca de 100 pessoas que dançaram 
e cantaram músicas que tratam dos cuidados 
com o meio ambiente
Dir: Joilson Soares
Edu. 3,9´

AQUECIMENTO GLOBAL
 Catástrofes oriundas do aquecimento 
global trazendo morte, destruição, 
doenças e fome, e nos forçando a 
conscientizarmo-nos e cuidar 
de nossa Mãe Terra 
por um futuro melhor
Dir: Wolnei Alves
Doc. 5,26´

ARVOREDO DAS CRIANÇAS
Sinópse: Você sabe o que é uma ilha? 
Esse é o ponto de partida de uma conversa 
com crianças sobre a Reserva Biológica 
Marinha do Arvoredo, um alerta sobre os 
perigos que ameaçam a Reserva.
Dir: Hugo Zecchin
Edu. 14´

ESTUFA
De maneira divertida, o Curta
traz por meio da animação
 questões emblemáticas
 como Aquecimento Global  
e Mudanças Climática
Dir: Fernando Miller e 
Érica Valle
Ani. 1,15´
BOM TEMPO
De maneira divertida, o Curta
traz por meio da animação questões
emblemáticas como Aquecimento Global 
e Mudanças Climática
Dir: Alexandre Dubiela
Ani. 1,32



UM DIA NA BACIA DO PISCA
 O documentário é uma construção de ideias,
 imagens e depoimentos, num olhar para
 a água, a alimentação e a
ocupação do espaço, em um dia na Bacia 
do Ribeirão Piracicamirim,paisagem de Piracicaba-S
Dir: Bruna Epiphanio e Camila Amaral Tavares
Doc. 23,45´
   
E MAIS: STOP MOTIONS DOS ALUNOS DA E.E. CEL RAFAEL DE SIQUEIRA

segunda-feira, dezembro 12

Até 2012!

Que ano!!!
Não sei para vocês, mas por aqui foi pura adrenalina!

Foi um fecha-não-fecha, para-tudo e continua. Tudo junto e misturado!!!
Mas estamos aí, firmes, fortes e cada vez mais fortalecidos!

Eu, Vilmara, tô entrando de férias, e a Luara está assumindo o comando!!!
A programação de fim de ano tá massa, e a Lu tá super disposta em tocar as sessões neste fim de ano! Então vai rolar!

Quero deixar agradecimentos especiais a todos que participaram das nossas sessões!

Valeu mesmo, gente!

Aos que não participaram mas deram um super incentivo via email, blogs, chats, redes e afins!

Aos que cruzaram nosso caminho, mas acabaram tomando outros rumos, e deixaram muita saudade!

Aos nossos apoiadores (hora do jabá): Sintep, Hotel Turismo, Big Festas e Posto Rios, Stampas e Cia, Moda Mil, RM Confecções, Bom Clima Mat. Construção.

E, é claro, nossa equipe LINDA de trabalho:

Elly Buarque
Fábio
Edmar

Estou em salva de palmas por todos vocês!!! Obrigado mesmo!!!

Feliz Natal e grandioso Ano Novo, com direito a tapete vermelho na entrada!!!

Cine Artê na Praça!

3º CIRCUITO TELA VERDE


INICIAMOS NO SÁBADO (10) A EXIBIÇÃO DE CURTAS COM PRODUÇÃO INDEPENDENTE CUJO O TEMA PRINCIPAL É  AMBIENTAL. 
FORAM SELECIONADOS E DISTRIBUIDOS PELO CIRCUITO TELA VERDE!

VALE A PENA CONFERIR!

A PROGRAMAÇÃO CONTINUA NO MÊS DE DEZEMBRO!






AS PRÓXIMAS SESSÕES SERÃO NA PRAÇA?! VAI DEPENDER DA CHUVA.

terça-feira, dezembro 6

Sábado, 10 de dezembro!


Neste sábado, 10 de dezembro, às 20:00hs

Cine Artê no
CIRCUITO TELA VERDE
3° Mostra Nacional de Produção Audiovisual Independente


         “Gente Grande”         “Preservar”       “Bilhões de árvores”
            Dir.: Walkir Fernandes             Pr.: Thiago Herbert      Dir: Frata Soares
            Ani, 1’05”                               Ani, 2011, 1’               Ani, 2010, 1’

Curtas de animação do resultado de um concurso nacional fruto da parceria entre Secretaria de Audiovisual do Ministério da Cultura com o Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente. De maneira divertida, os curtas trazem por meio da animação questões emblemáticas como Aquecimento Global e Mudanças Climáticas.


         “Caminho das Águas”                           “Meio e Ambiente”
            Coord: Juliana Mariano Alves                          Produção: Gizeli Bertollo
            Edu, 2010, 10’45”                                                      Edu, 2009, 15’

“Caminho das águas” conta através da narrativa de um ser da natureza o ciclo das águas e a seca. Dos leitos dos rios à água que evapora e se transforma em nuvem, e depois em água novamente. “Meio e Ambiente” é uma livre adaptação da história contada no livro “Meio e ambiente: ideias diferentes”, onde João e Bia, em uma curiosa aventura exploradora, descobrem juntos que meio e ambiente são ideias diferentes.


                   “Coleta Seletiva Solidária I e 2”
                                    Direção: Armando Bulcão
                                               Doc, 25’

A Universidade de Brasília apresenta a Política Nacional de Resíduos Sólidos e sua aplicação nas instituições públicas por meio do Decreto 5940/2006. Mostra a questão dos resíduos desde sua produção até a disposição final e o grande desafio para implantação de um Sistema de Gestão.


         “Cicloturismo”                                       “Turismo Pedagógico”
            Produção: Acolhida na Colônia                       Produção: Acolhida na Colônia
            Doc, 7’                                                           Doc, 8’

Visitantes ciclistas percorrem as propriedades de agricultura familiar associadas à Acolhida na Colônia, Santa Catarina. Onde também Estudantes aprendem sobre a produção orgânica e a vida no meio rural em um dia de muitas atividades.


                            “A represa de Salto Grande”
                                               Direção: Renato Mota Filho
                                                           Doc, 15’

O trabalho é parte dos resultados da tese de Doutorado apresentado no programa de Pós-graduação em Ciências da Engenharia Ambiental.


                            “Cassange descobrindo Kassange”
                                               Direção: Bruno Lima
                                                           Doc, 5’, 2009

O documentário apresenta a comunidade afrodescendente Cassange (Salvador – BA), suas histórias, seus desejos, seu modo de vida e suas reivindicações.

segunda-feira, novembro 28

Domingo na Praça!


Dia de Festa em Chapada! Motivo?! É que o dia estava lindo!!!

E também um grupo de percussão massa fazia sua estréia em Chapada dos Guimarães: CANTARINAS formado por Giselle Marques, Liudmila Diaz, Manú Dias, Monica Spinelli e Ariane Laura. Som da melhor qualidade, que fez parar quem tava de passagem!

Na sequência, o Cine Artê assumiu o palco. Estamos comemorando a vitória de um parceiro-irmão-amigo! O Rama ganhou 1° lugar no Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá, com a produção de um curta doc sobre a APPÁ. O vídeo ficou lindo, tem vários associados dando depoimentos desses três anos de caminhada, e é ótimo ver um trabalho tão bacana sendo reconhecido por quem tá do lado de fora.

E é claro que antes do curta rolou uma canja para a criançada, e exibimos dois vídeos de animação, que foram cedidos pela organização do "Dia da Animação" que aconteceu em outubro.
Agradecimentos a nossa super equipe de trabalho: Elly Buarque, Edmar Branco e Fábio.

Para quem não viu, sente só a vibração pelas fotos!

Uma boa semana a todos!









segunda-feira, novembro 21

VISITE A CHAPADA A MÃO - CONHEÇA O CINE ARTÊ

A APPÁ (Associação de Produtores e Produtoras Artesanais de Chapada dos Guimarães- MT) através da Loja Chapada a Mão e do Projeto cineclubista Cine Artê, promove arte, cultura e cidadania em Chapada. Promove a produção artesanal local, a valorização das culturas locais e tradicionais, a qualificação dos artesãos, apoia o cinema nacional e divulga temas e mensagens importantes, bonitas e criativas através da exibição de filmes gratuitamente!
Visite-nos, conheça, participe, acrescente!

video

Sábado, 26 de novembro!

Neste sábado, 26 de novembro, às 20:00hs



Cinema Nacional na Tela



“O CÁRCERE E A RUA”

Direção: Liliana Sulzbach

Doc, 2004, 80’



Cláudia é presidiária mais antiga e respeitada da Penitenciária Madre Pelletier. A que dá ordens e protege. Protege, por exemplo, a jovem Daniela, que corre risco de vida por ser acusada de matar o próprio filho. Mas Cláudia, assim como outra companheira de presídio, Betânia, deve deixar a penitenciária em breve. Daniela terá de se defender sozinha. Cláudia sai em busca do filho. Betânia sente a tentação de deixar de lado as regras do regime semiaberto para viver a liberdade em companhia de um novo amor.



Às 19:30hs,

Sessão Curta de Entrada

“Visita Íntima”

Direção: Joana Nin

Doc, 2005, 16’



O que faz uma mulher escolher um presidiário para desenvolver um relacionamento amoroso? Entre as personagens, algumas conheceram o companheiro na penitenciária, outras visitam o marido há décadas. Elas se sentem valorizadas e se consideram bem-amadas. São mulheres que insistem num relacionamento cheio de constrangimentos e privações, mesmo sofrendo as consequências dessa opção. Neste filme, o universo carcerário está presente quase que exclusivamente no relato das mulheres, e nunca sob o ponto de vista dos maridos.

segunda-feira, novembro 7

Neste sábado, 12 de novembro!



Neste
sábado, 12 de novembro, às 20:00hs

Cinema Nacional na Tela

“Aruanda”
Direção:
Linduarte Noronha
Doc,
1960, 22’

A
história de um quilombo, formado em meados do século XIX, por escravos libertos
no sertão da Paraíba. O filme, da mesma época da inauguração de Brasília,
mostra uma pequena população, isolada das instituições do país, presa a um
ciclo econômico trágico e sem perspectivas, variando do plantio de algodão à
cerâmica primitiva. O curta é considerado um dos precursores do Cinema Novo.


“A velha a fiar”
Direção:
Humberto Mauro
Fic,
1964, 6’

Ilustração
da antiga canção popular do interior do Brasil, utilizando tipos e costumes das
velhas fazendas em decadência.


“Ô xente, pois não”
Direção:
Joaquim Assis
Doc,
1973, 22’

Ô xente, pois não é um documentário
rodado em 1973 sobre lavradores da localidade de Salgadinho, perto de
Garanhuns, em
Pernambuco. Resultou essencialmente de longas e livres
conversas, durante cerca de 15 dias, com aproximadamente dez famílias que
lutavam contra toda sorte de dificuldades, entre elas a seca. O filme tenta
passar ao espectador a sabedoria das pessoas em questão e a fraternidade que as
unia. Do ponto de vista formal, Ô xente,
pois não é um entrelaçamento musical das falas daquela gente com as imagens
de seu cotidiano.


“Brasília: contradições de uma cidade nova”
Direção:
Joaquim Pedro de Andrade
Doc,
1967, 23’

Imagens
de Brasília em seu sexto ano e entrevistas com diferentes categorias de
habitantes da capital. Uma pergunta estrutura o documentário: uma cidade inteiramente
planejada, criada em nome do desenvolvimento nacional e da democratização da
sociedade, poderia reproduzir as desigualdades e a opressão existentes em
outras regiões do país?


“Ilha das Flores”
Direção:
Jorge Furtado
Doc,
1989, 12’

Um
tomate é plantado, colhido, transportado e colocado à venda num supermercado,
mas apodrece e acaba no lixo. Acaba? Não. Ilha das Flores segue-o até seu
verdadeiro final, entre animais, lixo, mulheres e crianças. E então fica clara
a diferença que existe entre tomates, porcos e seres humanos.

domingo, outubro 23

Sexta de Sábado, 28 e 29 de outubro!


Oba!!!

Relatório da Sessão do dia 22.

RELATÓRIO DE ATIVIDADE
SESSÃO 68


Sessão realizada no sábado, 22 de outubro de 2011.
A sessão foi na sala de exibição do do Cine Artê.

A programação foi feita em função do mês das crianças. Para este sábado a sessão Cinema Nacional na Tela apresentou “No Coração dos Deuses” de Geraldo Moraes, fic, 1999, 95’.

A sessão teve início com 02 pessoas presentes. Após 30’ de exibição eram 05 os presentes. O público teve por reação algumas risadas e comentários entre si.
Não houve debate após a sessão.

A divulgação foi feita através de 12 cartazes fixados no centro comercial da cidade, além de mala direta por e-mail, blog, e redes sociais.

segunda-feira, outubro 3

Sábado, 08 de outubro!

Neste sábado, 08 de outubro:

Sessão Cinema Nacional na Tela, às 20:00hs

CURTAS INFANTIS

No mês das Crianças!

Início às 19:30 hs!

Duração: 99’

“O arroz nunca acaba”

Direção: Marão

2005, ani, 8’

“Quando os morcegos se calam”

Direção: Fabio Lignin

1986, ani, 6’

“Em nome da lei”

Direção: Rodrigo Guimarães

1986, ani, 4’

“A lasanha assassina”

Direção: Ale McHaddo

2002, ani, 8’

“Isabel e o cachorro flautista”

Direção: Christian Saghaard

2004, fic/ani, 14’

“O tamanho que não cai bem”

Direção: Tadao Miaqui

2001, ani, 7’

“Alma carioca – um choro de menino”

Direção: William Côgo

2002, ani, 6’

“Disfarce explosivo”

Direção: Mário Galindo

2000, ani, 6’

“O nordestino e o toque de sua lamparina”

Direção: Ítalo Maia

1998, ani, 8’

“Mitos do mundo: como surgiu a noite”

Direção: Andrés Lieban

2005, ani, 10’

“Historietas assombradas (para crianças malcriadas)”

Direção: Victor-Hugo Borges

2005, ani, 16’

domingo, setembro 25

Sábado, 01 de outubro!

Neste sábado, 01 de outubro:
Sessão Cinema Nacional na Tela, às 20:00hs
ENCONTRO COM MILTON SANTOS:
O mundo global visto do lado de cá.
Direção: Silvio Tendler
Doc, 2006, 90’

Documentário do cineasta brasileiro Sílvio Tendler, discute os problemas da globalização sob a perspectiva das periferias (seja o terceiro mundo, seja comunidades carentes). O filme é conduzido por uma entrevista com o geógrafo e intelectual baiano Milton Santos (1926–2001), gravada quatro meses antes de sua morte.


Às 19:30hs, Sessão Curta de Entrada

TIM MAIA
Direção: Flávio R. Tambellini
Doc,1986, 14’



Neste sábado, 24, o Trio Pirathiny esteve com a gente!
Muita alegria e diversão na praça!!!

Em seguida, Cine Artê com curtas nacionais!

Foi uma noite linda!!!

terça-feira, setembro 20

Sábado, 24 de setembro!

Neste sábado, 24 de setembro:

CINE – TEATRO:

Trio Pirathiny e Cine Artê

na Praça Dom Wunibaldo!

Espetáculo às 20:00h, e na sequência sessão de curtas:

“Alma carioca – Um choro de menino”

Direção: William Côgo

Ani, 2002, 6’

Na zona portuária do Rio de Janeiro do início do século 20 foi berço de grandes mestres da música popular. Mesmo as condições precárias não impediram o surgimento de um gênero musical que é uma de nossas maiores manifestações culturais: o choro.

“Cine Holiúdy – O astista contra o caba do mal”

Direção: Halder Gomes

Fic, 2004, 15’

Francisgleydisson é o proprietário do Cine Holiúdy, um modesto cinema no interior do Ceará nos anos 70. O projetor tem um defeito súbito, mas ele consegue resolver de forma criativa e inusitada.

“Como se morre no cinema”

Direção: Luelane Loiola Corrêa

Fic/Doc, 2002, 20’

Memórias do papagaio que participou da filmagem do clássico brasileiro “Vidas Secas”, em 1962, quando atuou ao lado da cachorra Baleia.

segunda-feira, setembro 19

segunda-feira, setembro 12

Neste sábado, 17 de setembro!

Neste sábado, 17 de setembro:

Sessão Cinema Nacional na Tela, às 20:00h, com:

“O veneno está na mesa”

Direção: Silvio Tendler

Doc, 2011, 50’

Desde 2008, o Brasil é o maior consumidor anual de agrotóxicos.

Cada brasileiro consome em média 5,2 litros de agrotóxicos por ano.

Até quando vamos engolir isso?

segunda-feira, setembro 5

Neste sábado, 10 de setembro!

Neste sábado, 10 de setembro:

Sessão Curta de Entrada, às 19:30h, com:

“Ãgtux”

Direção: Tânia Anaya

Exp, 2005, 22’

A etnia Maxakali habita o Vale do Mucuri, em Minas Gerais. Donos de um notável refinamento plástico e sonoro, os maxakalis vivem sob uma sombra de miséria amplamente divulgada pela mídia. O filme busca o que falta nas notícias: a riqueza dos grafismos, da língua e da vida cotidiana. Ãgtux significa “contar histórias”.

Sessão Cinema Nacional na Tela, às 20:00h, com:

“Jornada Kamayurá”

Direção: Heinz Forthmann

Doc, 1966, 11’

No Alto Xingu, próximo à Lagoa de Ipaivu, vivem os índios da tribo Kamayurá. Pela manhã, os homens vão à caça, as meninas colhem frutos e os meninos pegam gafanhotos. À tarde, os homens dedicam-se à cultura do algodão, observados pelos meninos. As mulheres reservam a maior parte do tempo aos cuidados da família. Ao entardecer trocam impressões sobre o dia. À noitinha tocam flauta, cantam e dançam. Um dia na vida cordial e bem humorada dos Kamayurá.

“Bubula, o cara vermelha”

Direção: Luiz Eduardo Jorge

Doc, 1999, 29’

A trajetória documental do cineasta e fotógrafo Jesco Von Puttkamer, em que ele revisita sua obra cinematográfica construída no decorrer de quatro décadas com grupos indígenas da Amazônia brasileira.

“Mato eles?”

Direção: Sérgio Bianchi

Doc, 1983, 34’

A FUNAI é um órgão de proteção indígena ou uma indústria de extração de madeira? O último índio da tribo Xetá deve ser tombado pelo patrimônio histórico? Você é a favor de que o extermínio indígena no Brasil seja imediato (vala comum) ou gradativo? É melhor negócio comprar terra indígena e retirar a madeira, ou denunciar quem faz isso?

quinta-feira, setembro 1

Neste sábado, 03 de setembro!


Neste sábado, 03 de setembro:

Sessão Cinema Nacional na Tela, às 20:00h, com:

“Tempos de Paz”

Direção: Daniel Filho

Fic, 2009, 81’

Final da 2ª Guerra Mundial. No Brasil, o governo de Getulio Vargas liberta presos políticos ao mesmo tempo em que recebe milhares de imigrantes europeus. Neste contexto, acontece o encontro entre Segismundo, o chefe da imigração na Alfândega do Rio de Janeiro e Clausewitz, um polonês que é visto como uma ameaça ao país. Assustado, ele terá que usar todas as técnicas de convencimento para ficar na nova pátria.